Porto Alegre comemora seus 250 anos com show exclusivo da Cachorro Grande

Posted: 28/03/2022 in Porto Alegre, Rock, Shows
Etiquetas:, , ,

Eles mesmos cantam: “a vida é uma mala pronta pra viagem”. Nesse caso, a viagem foi de volta à cidade natal, 23 anos após o nascimento do grupo. Foi em 1999, em uma loja no centro histórico de Porto Alegre, que Beto Bruno e Marcelo Gross decidiram montar uma banda. Precisavam de um baterista para fazer o primeiro show, em Sapucaia, na região metropolitana de Porto Alegre. Chamaram um cara que andava sempre pela respectiva loja onde eles trabalhavam: Gabriel Boizinho. A caminho do estúdio para a gravação da primeira demo, encontraram, no Bambus (sim, o mesmo Bambus que Titi Müller e Lucas Silveira falaram, ontem, pouco antes da Fresno subir ao palco do Lollapalooza) um cara que havia se mudado pra Porto Alegre em 1998: Pedro Pelotas. Pedro gravou o piano em “Lili” e, de lá pra cá, muita, muita história aconteceu. E foi um pouco dessa história que vimos no palco do auditório Araújo Vianna no último sábado, dia 26, em comemoração aos 250 anos da capital gaúcha.   

A separação de quase três anos não foi suficiente para acabar com a sintonia que os integrantes da Cachorro Grande exibem quando estão no palco. Digo mais: aparentemente, a separação fez com que eles reativassem o entusiasmo e a alegria que eu não presenciei nos últimos anos de estrada. Beto Bruno, Marcelo Gross, Pedro Pelotas, Gabriel Boizinho e Eduardo Barreto (que substituiu Rodolfo Coruja, no baixo) tocaram nada menos que 22 músicas, passando por quase todos os discos de estúdio da carreira.

“Lunático”, “Hey, Amigo!”, “Que Loucura”, “Dia Perfeito”, Sexperienced”, “Bom Brasileiro”, “As Próximas Horas Serão Muito Boas”, “Sinceramente”, “Velha Amiga”, “Debaixo do Chapéu”, “Vai T Q Dá”, “Desentoa” e, óbvio, “Você Não Sabe o Que Perdeu”, foram entoadas por um público eufórico e saudoso. A banda, literalmente em casa, conversou com a plateia o tempo todo, mostrando-se totalmente à vontade – e com vontade – de estar ali. Durante duas horas, um espetáculo digno de ficar para sempre na memória e na história dos shows que ocorreram no auditório, quiçá na cidade (ou no MUNDO!, como tudo que acontece em Porto Alegre, mas eu sou suspeita para falar sobre isso, então procurem uma fonte mais confiável).

Eu não sei o que vai acontecer daqui para a frente; se a Cachorro Grande vai voltar a se reunir, ou se nunca mais tocará junto. Única coisa que eu sei é que aquela banda mod-punk-garagem-psicodélica, que no final dos anos 90 andava pela esquina da Barros Cassal com a Independência alimentando o sonho de viver de música, deu para Porto Alegre uma baita de uma festa de aniversário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s